Nördlingen - Wallerstein - Wilburgstetten - Dinkelsbühl - Schopfloch - Feuchtwangen - Dombühl

Linha Romântica

Os comboios históricos da “Linha Romântica” de Nördlingen para Dombühl, com passagem por Wallerstein, Dinkelsbühl e Feuchtwangen, fazem a ligação entre cidades com centros históricos de elevado interesse e fortificações espetaculares que remontam à Idade Média, em excelente estado de preservação. Longe das grandes vias de circulação, o percurso serpenteia por entre paisagens diversificadas. Paragens breves em apeadeiros dissipam qualquer tédio e conferem uma sensação de calma e tranquilidade, uma realidade quotidiana vivida nesses tempos nas linhas secundárias.

O percurso de Dombühl para Feuchtwangen foi inaugurado a 15 de abril de 1876. Um dos motivos da inauguração foi a Guerra franco-prussiana de 1870/71. Devido à falta de meios de transporte, o transporte de tropas era bastante complicado. Foi por esse motivo que, no fim da guerra, se iniciou a construção do eixo ferroviário Este-Oeste entre Nuremberga e Estugarda. O desejo manifestado pela cidade de Feuchtwangen, de ser um dos pontos de passagem, não se concretizou. O eixo foi construído entre Leutershausen-Wiedersbach-Dombühl-Schnelldorf e Crailsheim. O traçado por Schillingfürst, planeado e desejado pela casa real de Hohenlohe-Schillingsfürst, foi igualmente rejeitado. A ligação Ansbach-Dombühl foi inaugurada a 15 de junho de 1875, a linha ferroviária Dombühl-Crailsheim a 15 de abril de 1876.
Simultaneamente estava em construção o percurso de onze quilómetros com as estações de Vehlberg e Dorfgütingen. A cidade de Feuchtwangen exigiu, financiou e entregou a linha férrea para exploração ao Reino da Baviera. A 2 de julho de 1876 estava concluída também a ligação Nördlingen-Dinkelsbühl. Na fronteira da região administrativa entre a Média Francónia e a Suábia situa-se o ponto de paragem de Rühlingstetten. Os mais antigos ainda hoje se lembram da pedreira junto à atual estrada nacional 25. Situava-se aqui a adega rochosa da cervejeira Schock. Quando o maquinista fazia soar o apito, na partida de Fremdingen, era servida a cerveja destinada ao pessoal da locomotiva e respetivos passageiros e transportada para a paragem próxima da cave rochosa. O dia 1 de junho de 1881 testemunha a conclusão do percurso de doze quilómetros de comprimento entre Feuchtwangen e Dinkelsbühl, passando por Schopfloch. O percurso Dombühl-Nördlingen existe desde então. Considerando que não existiam outros meios de transporte rápidos disponíveis, a linha ferroviária era a única opção.
Em 1876, no primeiro ano de existência, foram transportados entre o apeadeiro de partida e de destino, Feuchtwangen ou Dorfgütingen, 20 000 passageiros, 36 500 kg de bagagem, 427 cabeças de gado e 330 toneladas de mercadoria. As velocidades eram, por sua vez, reduzidas. Em 1881 eram necessários trinta e dois minutos para ir de Feuchtwangen a Dombühl. Em 1985, no último ano com transporte de passageiros, o mesmo percurso demorava apenas quinze minutos. Os passageiros que queriam viajar de Feuchtwangen para Nördlingen demoravam, em 1881, duas horas de comboio, enquanto que em 1985, o tempo necessário era de apenas 58 minutos. Em 1881 havia já um comboio noturno, às 22 horas, em direção a Munique.

Esta linha férrea manteve a sua importância mesmo depois da Segunda Guerra Mundial. Todos os alunos que frequentavam os liceus em Dinkelsbühl ou Ansbach ou o ensino médio em Feuchtwangen e quase todos os que faziam deslocações pendulares para o emprego viajavam de comboio. As automotoras, que partiam às 7 horas de Feuchtwangen chegavam a Ansbach por volta das 7h40. Nem sequer era necessário fazer o transbordo em Dombühl. Uma composição rápida, chamada de “Reichsstädtezug” (comboio das cidades imperiais), que percorria o trajeto Rothenburg - Dombühl - Feuchtwangen - Dinkelsbühl - Nördlingen - Donauwörth - Augsburg - Munique, demorava três horas e onze minutos entre Feuchtwangen e Munique. Atualmente, um autocarro leva quase o mesmo tempo até à estação central.
A transferência da circulação ferroviária para a circulação rodoviária fez com que os caminhos de ferro perdessem importância. A administração ferroviária aposta nas longas distâncias, deixando os percursos secundários como a “Rota Romântica“ para segundo plano. Um exemplo: apesar do comboio para Ansbach ter os lugares sentados totalmente ocupados no apeadeiro de Feuchtwangen e de, em Dombühl, apenas dispor de lugares em pé, viria a ser suspenso em 1960. Os autocarros entretanto colocados ao serviço até Ansbach, passando por Weinberg, não foram capazes de substituir os confortáveis comboios, estando sempre sobrelotados.

Quando em 1971 a ligação Dombühl-Rothenburg foi desmobilizada, dando pouco depois lugar aos caminhos de ferro, o percurso foi perdendo gradualmente a preferência dos utentes. Além disso, os caminhos de ferro faziam concorrência a si próprios, anulando comboios e substituindo-os por autocarros com percurso paralelo. No dia 1 de junho de 1985, o último comboio de passageiros fez a sua derradeira viagem, deixando a estação de Feuchtwanger em direção a Nördlingen às 12h19.