Autocarro e comboio

Uma rota romântica

Uma viagem no tempo

 

10 de janeiro de 1950

Fundação do consórcio "A Rota Romântica entre o Meno e os Alpes". As raízes da rota de férias mais antiga da Alemanha remontam a 1900, quando o "Itinerário alemão número 1" ligou o rio Meno aos Alpes. Mais tarde, os soldados americanos destacados na Alemanha e as respetivas famílias testemunharam a beleza desta rota, repleta de história e beleza cénica. Depois do caos trazido pela Segunda Guerra Mundial, a Deutsche Lufthansa e a DZT (Agência nacional alemã de turismo) utilizaram a Rota Romântica como um cartão-de-visita para uma nova e amigável Alemanha, em especial na América do Norte e no Canadá.

4 – 8 de maio de 1950

É organizada a primeira viagem de imprensa ao longo da Rota Romântica. Entre os participantes, encontrava-se uma dúzia de jornalistas e autores de livros de viagens que não conseguiram ficar indiferentes ao potencial turístico da Rota Romântica.

19 de junho de 1950

Entra em funcionamento a mais longa linha de autocarros de longo curso do Sul da Alemanha. A linha de longo curso de 377 quilómetros é utilizada diariamente em ambos os sentidos, com ligações a Oberammergau, Ettal e Garmisch-Partenkirchen. A partida pela manhã realiza-se às 6h30 em Wurzburgo e a chegada às 20h15 a Füssen. No sentido inverso, a partida realiza-se às 6h00 em Füssen e a chegada às 19h35 a Wurzburgo. Preço por km: 6 fénigues. Uma vez iniciado o serviço regular, os autocarros da Rota Romântica são primeiramente acompanhados por intérpretes da língua inglesa e, mais tarde, por hospedeiras que, nos seus elegantes uniformes, não ficavam de todo aquém das hospedeiras de bordo da Lufthansa.

23 de maio de 1951

A companhia de caminhos-de-ferro alemã Deutsche Bundesbahn utiliza duas automotoras rápidas para fazer o percurso de ida e volta de Rothenburg – Feuchtwangen – Norlinga – Augsburgo – Munique. Em cada uma das cidades existe uma ligação ao autocarro da Rota Romântica, para que possam ser visitados todos os pontos turísticos. O projeto de ambos os itinerários encontra-se na divisão de caminhos-de-ferro Bundesbahndirektion Augsburg (Reichsstädteexpress).

15 de setembro de 1952

Os autocarros vermelhos são solenemente recebidos pelo fundador da Rota Romântica, Dr. Ludwig Wegele: cada um dos autocarros decorados com flores percorreu 100 000 quilómetros da Rota Romântica. O primeiro condutor foi Johann Marquart (1913 – 2008) de Augsburgo.

12 de maio de 1955

A empresa Deutsche Touring inclui a Rota Romântica na linha Vogelfluglinie 312 de Copenhaga via Wurzburgo e Augsburgo, com destino a Innsbruck. Desta forma, a Rota Romântica passa a estar integrada na rede de linhas Europabus das companhias de caminhos-de-ferro europeias. Em 1962, os autocarros vermelhos são substituídos pelos autocarros turcos de cor bege da Deustche Touring, uma filial a 100% da Deutsche Bahn. No decorrer desta integração, Frankfurt am Main e Munique passam a fazer parte do itinerário. Erwin Rüb, posteriormente gestor de operações da Deutsche Touring, é o primeiro motorista de autocarro europeu a percorrer a Rota Romântica.

1 de abril de 1968

Charly Brown (1929-2018) faz a sua primeira viagem de Frankfurt a Munique. Praticamente ninguém conhece o sempre alegre cavalheiro da Saxónia pelo seu nome verdadeiro – Karl Heinz Zobel. O motorista de autocarro com apito, luvas e cartola que rapidamente se torna um ícone – uma imagem de marca no turismo internacional. A alcunha foi-lhe atribuída por duas entusiastas americanas que se tornaram visitantes leais e regulares do percurso. Após 25 anos de serviço, Karl completou 2,5 milhões de quilómetros no "seu" percurso, o que corresponde a 60 voltas ao mundo.

 

Abril de 1982

É inaugurada a Rota Romântica do Japão, inspirada no modelo alemão – a primeira reprodução no estrangeiro. Em 2007, foi formalizada a parceria com a Rota Romântica do Brasil. Dois anos mais tarde, em julho de 2009, é solenemente inaugurada a Rota Romântica da Coreia e, em 2016, a Rota Romântica de Taiwan. E também no Vietname é adotado o modelo alemão, aquando da fundação da Rota do Património da Humanidade.

1 de abril de 1992

Köksal Balikci é o primeiro motorista turco a ser designado para a Rota Romântica. Originário de Capadócia, Balikci, que inicialmente fazia a linha Istambul – Frankfurt da Europabus, apaixonou-se pela Rota Romântica e, até hoje, é o "homem da frente" e o rosto da Rota Romântica para visitantes internacionais – sendo que, atualmente, 80% provêm da Ásia. Para ele, a Rota Romântica tornou-se a sua "linha da vida" e basta uma simples visita à sua página de Facebook para comprovar o quão grande é a sua popularidade, especialmente no Japão. Balikci aposentou-se a 18 de outubro de 2014 em Dinkelsbühl, após 22 anos de serviço.

1 de abril de 1994

Na Alemanha, o ciclismo torna-se cada vez mais popular. Esta tendência é igualmente tida em consideração na Rota Romântica e, para além da ciclovia, todos os autocarros passam a estar equipados com reboques para bicicletas como complemento à oferta.

1 de julho de 2008

Em preparação para a respetiva oferta pública inicial, a Deutsche Bahn vende a lucrativa Deutsche Touring a um consórcio estrangeiro de operadores de autocarros. O autocarro da Europabus torna-se o "Romantic Road Coach" da Rota Romântica e permanece a ligação da mesma há mais de 70 anos, sendo operado pela Touring Tours & Travel GmbH em Frankfurt.

28 de abril de 2010

Para comemorar o 60.° aniversário da Rota Romântica e com o intuito de oferecer um serviço mais completo aos visitantes vindos de todo o mundo, os autocarros são equipados com áudio-guias em 8 idiomas.

1 de maio de 2018

Nos trajetos de Frankfurt am Main e Munique com destino a Rothenburg ob der Tauber, os passageiros são acompanhados por guias turísticos.

21 de junho de 2020

Resumo do jubileu dos 70 anos da primeira rota de férias de qualidade da Alemanha:
desde 1950, os autocarros da Rota Romântica percorreram mais de 16 milhões de quilómetros, o que corresponde a 404 voltas ao mundo. No total, foram transportados mais de 1,6 milhões de passageiros.